domingo, 1 de janeiro de 2012

Tratamento para Febre

Geralmente, se a febre não causar desconforto, a febre em si não precisa ser tratada. Não é necessáriopara despertar um adulto ou criança para tratar a febre, a menos que instruído a fazê-lo pelo seuprofissional de saúde.

A febre-se reduzindo seguintes medicamentos podem ser usados ​​em casa:

Acetaminofeno (Tylenol e outros) podem ser usados ​​para baixar a febre. A dose recomendada pediátrica pode ser sugerido pelo provedor da criança de cuidados de saúde. Adultos sem doença hepática ououtros problemas de saúde pode ter 1.000 mg (dois "força extra" comprimidos) a cada 4-6 horas ouconforme indicado pelo seu médico.

Ibuprofeno (Motrin / Advil) também pode ser usado para quebrar uma febre em pacientes com mais de 6 meses de idade. Discutir a melhor dose com o seu médico. Para os adultos, 400-600 mg (2-3comprimidos de 200 mg) pode ser usado a cada seis horas.


A aspirina não deve ser usado para febre em crianças ou adolescentes. O uso de aspirina em crianças e adolescentes durante uma doença viral (especialmente varicela e influenza, ou gripe) tem sido associada à síndrome de Reye. Síndrome de Reye é uma doença perigosa, que causa vômitos prolongados, confusão, e até mesmo coma e insuficiência hepática.
Um indivíduo com febre deve ser mantido confortável e não overdressed. Overdressing pode causar a temperatura aumente ainda mais. Água morna (85 F [30 C]) banhos são um remédio caseiro que possaajudar a derrubar uma febre. Nunca alguém mergulhe em água gelada. Este é um equívoco comum. Nuncaesponja uma criança ou um adulto com o álcool, o fumos do álcool podem ser inaladas, causando muitos problemas.

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Atenção para sintomas da dengue em crianças

Febre, dores no corpo e indisposição podem ser confundidos com gripe e outras viroses. Pediatras devem considerar a dengue ao atenderem crianças com esses sintomas, especialmente em áreas com transmissão da doença 

A dificuldade de expressar o que está sentindo é um perigo a mais para crianças infectadas pelos sorotipos da dengue. Os sintomas clássicos da doença – febre, dores no corpo, indisposição e apatia – podem ser facilmente confundidos com outras viroses que costumam acometer as crianças. Por isso, o Ministério da Saúde tem orientado os profissionais de saúde, especialmente os pediatras, a ficarem atentos e sempre considerar fortemente a dengue como um dos diagnósticos possíveis. A observação vale, especialmente, para os municípios onde há alta transmissão ou epidemia da doença.

“É importante que qualquer profissional de saúde, especialmente o pediatra, nessa época do ano e em estados onde há transmissão da dengue, coloque a dengue como um dos diagnósticos a serem investigados caso a criança apresente um quadro febril”, observa o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa. Para ele, é inadmissível que um pediatra não desconfie de dengue frente a uma criança com febre, dores no corpo, prostração e, em alguns casos, manchas vermelhas pelo corpo, em cidades onde esteja ocorrendo transmissão da doença.

“Não é preciso esperar surgirem todos os sintomas. Ao primeiro sinal, especialmente em área de transmissão intensa, esse diagnóstico deve ser considerado ou o profissional de saúde pode perder a oportunidade de detectar precocemente um caso de dengue”, alerta Jarbas Barbosa. “Ainda é importante lembrar a necessidade de introduzir a hidratação nos casos indicados, o que pode evitar a evolução para situações graves e que se transformem em risco para a vida da criança”.

Sinais de Alarme: A recomendação de Jarbas Barbosa também vale para pais e responsáveis. “Se a família percebe que a criança apresenta um quadro de vômitos continuados e de dor abdominal persistente, tem que ser levada urgentemente ao serviço de saúde, porque ela pode estar fazendo uma forma grave de dengue que pode evoluir, em poucas horas, até para o óbito”, destaca o secretário de Vigilância em Saúde.

Ele observa que a dengue pode ser ainda mais perigosa nos bebês, pois a evolução do quadro é súbita. Neste caso, os pais devem ficar alerta aos choros persistentes e à irritabilidade. “Diante dos sintomas iniciais ou dos sinais de alarme, é preciso desconfiar que a criança está com dengue, procurar uma unidade de saúde e já introduzir a hidratação”, reforça.

domingo, 17 de outubro de 2010

Febre - Vacinação de bois e búfalos em Rondônia começa nesta sexta

Os mais de 80 mil pecuaristas de Rondônia começam a vacinar o rebanho de bois e búfalos contra a febre aftosa nesta sexta, dia 15 de outubro. A campanha, que termina em 15 de novembro, deve alcançar 11,5 milhões de animais criados em 103 mil propriedades rurais do Estado.

A responsável técnica pelo Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa em Rondônia, Michiko Kuroda, explica que veterinários do serviço estadual de fiscalização trabalham principalmente nas áreas de fronteira com a Bolívia para verificar o trânsito de animais e a ficha de vacinação.

– Todas as propriedades de fronteira são cadastradas. Temos quatro embarcações para fazer a ronda nos 1.444 km de fronteiras fluviais. Isso garante um índice de vacinação próximo de 100% – afirma.

Cerca de 70% do rebanho rondoniense é formado por gado de corte, concentrado nos municípios de Pimenta Bueno, Rolim de Moura, Vilhena e a capital Porto Velho. Já a produção leiteira fica próxima a Ji-Paraná.

Desde 1999 não são notificados casos de febre aftosa em Rondônia. Por meio de portaria, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento reconheceu, em 2002, o Estado como área livre da doença com vacinação.

– A imunização do rebanho é importantíssima tanto para a manutenção desse status de zona livre, quanto para proteger os animais de possíveis focos da doença – ressalta Kuroda.

O pecuarista tem até quinze dias após o término da campanha para entregar o comprovante de vacinação em uma das 92 unidades de atendimento da defesa agropecuária do Estado.

domingo, 1 de agosto de 2010

Instituto Nacional de Cardiologia promove evento de prevenção à febre reumática no Posto Seis

Profissionais do Instituto Nacional de Cardiologia (INC) estarão este domingo, de 8h30m às 12h30m, na Praia de Copacabana, dando dicas de de como prevenir a febre reumática, doença pouco conhecida e que pode causar graves sequelas cardíacas. Desde 2003, o instituto possui um programa de prevenção à enfermidade, o Prefere. O evento do fim de semana, promovido pela Sociedade de Cardiologia do Rio de Janeiro (Socerj), tem como objetivo prevenir as doenças do coração. Nas oito tendas, montadas no Posto Seis, entre as ruas Júlio de Castilho e Sá Ferreira, médicos, enfermeiros, psicólogos, nutricionistas e assistentes sociais vão oferecer serviços gratuitos à população, como aferição de pressão cardíaca, orientação alimentar, medida antropométrica e avaliação postural.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Cura para a Febre


Todos já tiveram febre um dia em suas vidas, pois essa ocorre por conta de uma reação de nosso organismo contra um mal comum fazendo com que nossa temperatura se eleve há um estado febril de 37,5º C ou mais.Portanto, cuidado se você atingir essa temperatura.
Para combater essa febre basta recorrer a um médico para que esse analise o seu caso e receite os medicamentos corretos.Ou então você pode recorrer a plantas medicinais tais como: camomila, sabugueiro e bonina para tratar esse sintoma.
Só não deixe de utilizar métodos para que se combata o estado febril de forma imediata descobrindo se a causa é por conta de dor de garganta, gripes, resfriados, enfim entre outros.Assim isso pode fazer com que nenhum problema mais grave ocasione em males no futuro.